Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
CFM e SBP alertam população e médicos para necessidade de manter vacinação em dia
Seg, 03 de Julho de 2017 15:27
O Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) conclamam a população, os médicos e demais profissionais de saúde a se contraporem ao movimento antivacinas, que surgiu nos países mais desenvolvidos e tem ganhado adeptos no Brasil. Para as duas entidades, a falta injustificada de vacinações pode causar o aumento da morbidade e da mortalidade de crianças, de adolescentes e da população adulta, “consolidando um retrocesso em termos de saúde pública”.

Uma nota divulgada nesta sexta-feira (23) alerta os pais e responsáveis sobre a importância de levarem crianças e adolescentes aos postos de saúde para receberem as doses constantes no calendário vacinal. “Não se vacinar ou impedir que as crianças e os adolescentes o façam pode causar enormes problemas para a saúde pública, como o surgimento de doenças graves ou o retorno de agravos de forma epidêmica, como a poliomielite, o sarampo, a rubéola, entre outros”, cita o documento.

CONFIRA ABAIXO ÍNTEGRA DO ALERTA


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacinação em massa evita entre 2 milhões a 3 milhões de mortes por ano e é responsável pela erradicação de várias doenças. A OMS argumenta ainda que com vacinação também se reduziu a mortalidade por sarampo em 74%.

No Brasil, estão disponibilizados na rede pública 26 tipos de vacinas para crianças e adultos. Graças à cobertura vacinal, iniciada na década de 1970, a varíola foi eliminada no país em 1973; a poliomielite, em 1989; e a transmissão autócnote de sarampo, em 2001.  Segundo o Ministério da Saúde, o surto recente de febre amarela tem com uma de suas causas a baixa cobertura vacinal na região onde ocorreram as primeiras mortes, em Minas Gerais. Em 47% dos municípios com recomendação para a vacinação, a cobertura da vacina contra febre amarela era menor do que 50%.

De acordo com os especialistas, o crescimento do movimento antivacinal tem levado ao ressurgimento do sarampo na Itália, Espanha, Alemanha e Portugal. Em 2017, das 1,6 mil pessoas que pegaram a doença na Itália, 88% não tinha tomado nenhuma das doses da vacina contra a moléstia. Em 1941, a Espanha registrava 1 mil casos de difteria para cada 100 mil habitantes. Em 1945, foi iniciada campanha de vacinação, o que levou a Espanha a registrar o último caso da doença em 1987. No entanto, ano passado uma criança da Catalunha, cujos pais são adeptos da campanha antivacina, foi diagnosticada com a doença.

No Brasil, problemas desse tipo começam a surgir. Em 2011, uma criança paulistana da Vila Madalena não vacinada por opção dos pais contraiu o sarampo e contaminou outras 25. A campanha contra as vacinas tomou corpo com a publicação de um artigo do então médico britânico Andrew Wakefield na revista Science, afirmando que as vacinas provocavam autismo. O médico não conseguiu comprovar suas afirmações, teve o diploma cancelado e o artigo retirado dos anais da revista.

Na avaliação do CFM e da SBP, com o advento das redes sociais o surgimento de informações inverídicas tem colocado essa ação preventiva em risco. Por isso, ressaltam: “boatos ou notícias que relacionam a vacina a efeitos colaterais, presença de elementos tóxicos ou nocivos em sua composição, sua ineficácia ou possível substituição por outros métodos não possuem, em geral, base técnica ou científica”. 

  


ALERTA AOS MÉDICOS E À POPULAÇÃO

Brasília, 22 de junho de 2017

Considerando o papel das vacinas como meio de prevenir doenças, de modo individual e coletivo, o que é comprovado por inúmeros estudos científicos e pelos indicadores epidemiológicos, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) vem a público ressaltar que:
1)      A falta injustificada de vacinações pode ter consequências desastrosas, como aumento da morbidade e da mortalidade de crianças, de adolescentes e da população adulta, consolidando um retrocesso em termos de saúde pública;
2)      Deve ser observado rigorosamente o cumprimento das exigências do calendário vacinal, levando as crianças e os adolescentes aos postos de saúde para receberem as doses necessárias a sua proteção contra doenças evitáveis;
3)      Os médicos brasileiros, cientes de suas responsabilidades éticas, técnicas e legais, devem orientar a população sobre a importância da vacinação, esclarecendo suas dúvidas e ressaltando os benefícios de estar com o calendário vacinal atualizado;
4)      Não se vacinar ou impedir que as crianças e os adolescentes o façam pode causar enormes problemas para a saúde pública, como o surgimento de doenças graves ou o retorno de agravos de forma epidêmica, como a poliomielite, o sarampo, a rubéola, entre outros.
5)      Boatos ou notícias que relacionam a vacina a efeitos colaterais, presença de elementos tóxicos ou nocivos em sua composição, sua ineficácia ou possível substituição por outros métodos não possuem, em geral, base técnica ou científica.  
Com essa manifestação, o CFM e a SBP conclamam a população, os médicos e os demais profissionais da saúde a se aliarem contra o movimento antivacinas, que existe em vários países e tem crescido no Brasil, em especial com o incremento das redes sociais, trazendo enormes prejuízos para saúde pública. Vacinar-se e vacinar crianças e adolescentes correspondem a atos de cidadania. Recusar-se a estas práticas pode ser, inclusive, considerado uma ação de negligência.
Finalmente, o CFM e a SBP reiteram seus compromissos com a saúde e o bem-estar da população, objetivo cotidiano da atuação dos 420 mil médicos brasileiros.



CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM)

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP)

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

© PORTAL MÉDICO 2010 - o site do Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso -Todos os direitos reservados
Endereço do CRMMT Rua E, S/Nº Centro Politico Administrativo - Caixa Postal 10020, CEP: 78049-918, Telefone (65) 3612-5400, Fax (65) 3612-5440 
Cuiabá-MT